10:22

Expert em qualquer coisa

Mais uma vez a justiça brasileira quebra o galho de um monte de gente, e desconhece o esforço de estudantes, além de desmerecer todo um corpo acadêmico. A mais nova resolução dos homens da lei decide que fica cancelada a necessidade de especialização para exercer a profissão de jornalista. As empresas não são mais obrigadas e a exigir o diploma de formação em jornalismo para contratar alguém na área.

Para tal, utiliza-se o pretexto da geração de novos empregos, maquiando a obrigação que alguns grandalhões do jornalismo teriam de fazer todo o curso. A anulação da lei da especialização vai gerar um desarranjo entre os salários. Um formado vai ganhar mais do que alguém que está apenas se aventurando ou fazendo um bico no jornalismo. Imagino a indignação dos senhores da lei, se alguém que não sabe o Vade Mecum na ponta da língua, tivesse a ousadia que querer decidir um revés jurídico. Bom, o mesmo se aplica, ou deveria se aplicar à questão das notícias.

Mais do que isso, e o mais grave, na minha opinião, o fim da obrigatoriedade do diploma negligencia, releva e ignora os anos de estudo e esforço dos formandos em Jornalismo e os nivela a meros aspirantes. Eu, como um destes aspirantes, acentuo que não basta ter intimidade com a palavra, como defendem os homens do Supremo, é preciso estudar e aprender muito para poder ser um formador de opinião. Sem ter embasamento para se posicionar, é fácil ser alienado e se tornar uma ferramenta de alienação dos outros. Uma pena, novamente.

3 comentários:

Vanessa Oliveira disse...

Fabinho...concordo com cada linha escrita por ti..quantas vezes demostrei admiração pela tua forma e tua aventura de escrever beas coisas e tudo aquilo que algupem não consegue dizer?
Várias não é?
Estou nesse desistímulo junto a todos os estudantes e profissionais da mídia..indignados pela vontade de justiça que trás injustiça ao quarto curso que mais forma profissionais no Brasil: Comunicação Social- Jornalismo.
Uma pena não é verdade?
Enfim...uma pena...a palavra certa: INDIGNAÇÃO!

glauco disse...

pouca vergonha...

Vanessa Oliveira disse...

Sábias palavras Fábio, com esta decisão o judiciário levou nossa futura profissão ao rebaixamento!!!! As universidades públicas brasileiras selecionam seus estudantes como em um "funil", pois faltam vagas e depois de estudar para passar neste tão estreito "funil", eles, sem ter o que fazer, decidem que estudamos em vão isto sem falar nas tantas decisões importantes que deixam de ser tomadas,
decisões estas que o país espera há anos. Mas, sobreviveremos a isto, também!!!!!

CAMILA SANTOS ( estudante de comunicação da UEPB Campina Grande)